Focar ou diversificar as atividades? Eis a questão

Hoje a Vila recebe a colaboração de Bruno José Santos, que vem para trocar ideias com todos nós sobre assuntos relacionados ao negócio artesanato. O Bruno é recém formado em administração pela FAE de Curitiba e trabalha na área de artesanato já tem 8 anos. Sabe e conhece bem as dúvidas que rondam a cabeça de artesãos, assim tenho certeza de que será bem proveitosa essa troca. 

Hoje o Bruno vai falar sobre diversificar os produtos ou focar. Você tem dúvidas a respeito desse assunto? Quer pedir a opinião do Bruno? Deixe seu comentário que ele responderá.

 

 

Focar ou diversificar suas atividades artesanais, vamos trocar essa ideia? 

 

Focar ou diversificar as atividades?

 

É bastante comum encontrarmos artesãos que fazem de tudo um pouco, trabalham com várias técnicas, dão aula, vendem pela internet, vendem em lojas e com os ganhos de cada uma das atividades, conseguem compor sua renda. Mas entre os bem sucedidos, isso não é comum, é preciso focar em alguma atividade para poder agregar valor a ela.

Com a internet, não existe mais segredo e todos nós temos acesso a muitas técnicas, passo a passo, vídeos e dicas que ajudam muito. Até aqui, nenhuma novidade. Mas você já parou para pensar que a mesma informação que você tem acesso está disponível a qualquer pessoa? Que aquela idéia que você viu num blog pode ser vista também pelo seu concorrente? Não quero criar uma polêmica ou aconselhar ninguém a não utilizar a internet, esse é um caminho sem volta, mas para se diferenciar cada dia mais temos que ser bons no que fazemos.

Então, acredito que focar em alguma atividade é a única forma de criar valor, de evoluir, de se diferenciar. Dando aula, fazendo biscuit, pintura, scrapbook, EVA e mais um milhão de técnicas, vendendo pela internet, deixando consignado em loja e tudo mais, você acredita que conseguirá se destacar em alguma coisa? Conseguirá ser reconhecido por alguma de suas atividades?

Já sei o que está passando em sua cabeça agora: “Falar é fácil, difícil é colocar isso em prática. Se eu não fizer tudo o que eu faço eu não vou conseguir pagar minhas contas!” Então vamos juntos pensar em uma forma de mudar este cenário. Ninguém melhor do que você sabe o que você mais ama fazer, o que você faz melhor e não será difícil de alguns de nós chegar a conclusão de que o que amamos não é a atividade que nos trás maior retorno hoje. Vamos mudar isso então. Trabalhe seus pontos fortes, invista seu tempo livre em aperfeiçoar essa sua vocação. Veja quem faz a mesma coisa no mercado e estude como ele faz. Veja os pontos fortes e fracos dele. Entenda por que ele se destaca. Não quero que você tome nenhuma decisão do dia pra noite, gostaria que todos vocês refletissem sobre suas potencialidades e elegessem uma linha a seguir.

Há como se fazer muitas coisas ao mesmo tempo, mas não há como ser bom em todas. Focando em uma você poderá crescer nesta atividade e manter algumas outras para complementar sua renda enquanto a principal está em crescimento.

Ao longo dos meus artigos aqui na Vila do Artesão vamos trocar idéias sobre negócios, planejamento, marketing e muito mais para tentarmos juntos profissionalizar seu negócio e crescermos.

Gostou deste artigo? Então faça seu comentário, crítica ou sugestão. Deixe sua dica e experiência vivida com esse tema “Focar ou diversificar minhas atividades”, talvez ela possa ajudar os demais leitores.

Um abraço e bons negócios!

Bruno José Santos, colaborador da Vila do Artesão Bruno José Santos, 29 anos, casado e 2 filhos. É formado em Administração de Empresas pela FAE (2011) e está pronto a atender suas dúvidas. Entre em contato através de seu site. Clique: Bruno José Santos.

 

Você vai gostar também de:

,

96 Responses to Focar ou diversificar as atividades? Eis a questão

  1. Andréa Oliveira 13 de setembro de 2013 at 16:56 #

    Adorei, focar é o melhor negócio, aperfeiçoar sempre.
    Um grande abraço e obrigada.

    • Sônia Maria 13 de junho de 2015 at 19:06 #

      Olá Bruno, parabéns pelo artigo. Adorei.
      Você me auxiliou e muito.
      Obrigada

  2. Maria Tereza 23 de maio de 2012 at 9:07 #

    Bom Dia Bruno!!!!!!
    Que maravilha, estava mesmo precisando de um empurrãozinho, e o seu veio na hora certa.
    Assim como muitas artesãs, eu também faço de tudo um pouco, pois adoro criar, mas estava sentido que as coisas não andava muito bem.
    Tive certeza disso, quando participei de uma feira no dia 20/05/2012, pois não vendi nada, enquanto dos demais focados em uma só arte vendiam seus produtos.
    Hoje, agradeço a você pela brilhante sugestão e a partir de agora, vou dar um rumo certo ao meu trabalho. Como aqui em Guarulhos podemos escolher somente duas técnicas, vou me aprofundar no crochê e na costura.
    Mais uma vez, muito obrigada.
    Abraços

  3. Vera Medeaa 22 de abril de 2012 at 18:53 #

    Bruno, obrigada pelos esclarecimentos.
    Gostei muito da matéria.
    Acredito que posso conciliar vários trabalhos juntos. Um abraço

  4. Cintia 3 de abril de 2012 at 20:32 #

    Oi Bruno.
    Acabei de encontrtar o site “Vila do Artesão” e consequentemente seu artigo.
    Você descreveu com todos os “esses” a minha trajetória e de meu marido!!!
    Estamos a quanse 6 anos neste ramo e de uns 3 anos para cá resolvemos focar no que sabiamos que faziamos melhor e abrimos uma loja na internet mas as vezes ainda hoje nos questionamos se o que estamos fazerndo está certo!
    Parabéns pela matéria!!!

  5. Jacqueline 16 de março de 2012 at 6:40 #

    Olá, Tenho uma dúvida enorme, se ensino o que sei ou se apenas faço peças para vender. Hoje como li todo mundo tem acesso as mesmas coisas, mas faço uma técnica em madeira de uma forma que ninguém faz, pelo menos até agora nunca vi, e as pessoas acham muito bonito e muitas perguntam se dou aulas e na verdade quase não faço nada, se tenho encomenda faço e aí paro,fico desanimada porque não tenho para quem vender, não sei vender minhas coisas, etc.
    Gostaria de uma opinião apenas vendo (e como vendo) fazendo uma loja virtual e de certa forma não tenho concorrente ou ensino.
    Obrigada

    • Cris Turek 16 de março de 2012 at 19:36 #

      Jacqueline, eu entendo que uma pessoa pode transmitir seu conhecimento, mas nunca seu talento. Não se preocupe em ensinar aos outros algo que considera conhecimento só seu, porque se você sabe fazer um trabalho com muito destaque, dificilmente será superada por seus alunos. E eles poderão ser divulgadores seus. O que realmente importa é que você esteja sempre um passo à frente, inovando e surpreendendo, assim eu faria as duas coisas: ensinar e vender.

  6. Nique 8 de março de 2012 at 10:57 #

    Só inteirando o que comentei ontem: não quero dizer que “discordo e acho que você está errado”, não mesmo. Quero dizer que focar ou não depende de suas necessidades e desejos. Como várias pessoas falaram nos comentários, a gente precisa pagar as contas e, se um trabalho diferente do nosso (mas que consigamos atender, claro) aparecer, aproveito sim, a oportunidade. Mas se a gente quiser diversificar simplesmente porque quer diversificar, não acho ruim. Desde que se faça um bom trabalho, eu acho válido! O que eu acho é que focar não é obrigatório.

  7. ruth ramos 8 de março de 2012 at 0:46 #

    OLá bruno e equipe. Foi muito bom ler seu artigo .Veio num momento oportuno pois estou um pouco apreensiva com o futuro do meu artesanato. Faço acessório, utilizando materia prima natural : palha , corda tecido sementes entre outros.Vendia legal, era bastante apreciado o que me incentivava a criar sempre coisas novas, ate a chegada dos produtos chineses. Aí parou. Apesar de serem muito mais bonitos e diferentes ,não vendo mais nenhum colar .Eu fico muuito chateada pois eu amo faze-los. Isto foi mais um desbafo, pois nem eu sei por onde começar.De qualquer maneira muito obrigada pelas dicas , foi muito valioso . Um grande abraço a voce e equipe.

    • Cris Turek 8 de março de 2012 at 20:11 #

      Ruth, talvez seja hora de mudar o foco na faixa de clientela. Produtos exclusivos para quem concorda em pagar mais pode ser uma alternativa. Pense nisso.

  8. denise 7 de março de 2012 at 15:54 #

    Acho que a maioria de nós temos essa dificuldade de scolher entre varias técnicas uma só aff,mas vou ficar grudadinha aqui p ler os próximos artigos que acredito sera de grande valia para todas(o) nós
    Abraço a todos

  9. simone 7 de março de 2012 at 11:58 #

    ola bruno boa tarde, sim e muito dificil esse conceito de artesanato o que seguir pois abrange um leque bem grande. montei uma lojinha a 1 ano e meio sosinha grande dificuldade ja dava aula estou desde 2006 nesse ramo mas senti que muitas pessoas frequentam o atelie para sugar o seu melhor e depois sair falando de voce e muito dificil bem hoje tenho uma loja montada com tudo e portas fechadas pois para seguir realmente e necessaria 2 cabeças para pensar uma socia pois um loja e bastante responsabilidade nao e facil fora que voce tem que fazer cursos para se manter atualizada no mercado as vezes caros dificil estou desanimada pois foi muito sacrificio abrir a lojinha. gostei muito de sua sinceridade em relaçao ao artesanato. um abraço simone

  10. Nique 7 de março de 2012 at 10:50 #

    Hm… acho que vou acabar discordando um pouco porque eu, com o tempo, enjôo do que faço e crio um estoque enorme – sou uma droga na hora de vender. Gosto de mudar. Vou “focando de tempos em tempos” tive a fase doas chaveiros, a fase das arvorezinhas, a fase das latas, a das caixas e agora estou focando em outra… Não me sinto mal por isso, nem acho ruim não ter destaque em algo. Quem me conhece acha que me destaco numa coisa que na verdade não sei fazer bem. E quem acredita? Quando faço, faço bem, mas eu acho que está ruim e não é a isso que me dedico. Ah, que confusão!

  11. Rita Dorigatti 7 de março de 2012 at 9:57 #

    Olá Bruno, Gostei muito da matéria e isso está acontecendo comigo nesse momento, amo tudo que faço e enquanto lia a matéria tentei pensar em que sou melhor e não consegui escolher, como devo avaliar isso? Já que gosto de fazer vários tipos de artesanato? Se puder me ajudar nessa dúvida vai ser ótimo.Existe alguma maneira pra q isso aparece c mais facilidade? a real aptidão? Obrigada pela ajuda e Parabéns.

    • Cris Turek 8 de março de 2012 at 20:03 #

      Rita, você ainda continua olhando suas habilidades pelo seu gosto pessoal. Tente ter um olhar crítico e observe qual das suas técnicas obtém um acabamento melhor porque você leva mais jeito e nem percebe. Penso que esse seja o rumo a seguir.

  12. Jackie 7 de março de 2012 at 9:51 #

    Olá Bruno!!!Posso dizer que amei essa reportagem. Até hoje tem feito de tudo um pouco e estou num momento que sinto que preciso me decidir. Preciso fazer a escolha por uma, duas ou tres técnicas no máximo para além de me aperfeiçoar, diminuir gastos também, pois quando se faz de tudo um pouco isso exige você ter muitos materiais a disposição e acabamos nos perdendo e exagerando nos gastos. Esses dias estive em um programa de Tv apresentando um dos meus trabalhos e senti a necessidade de focar mas ainda não sei como farei isso. Preciso mesmo de orientação, uma luz, um caminho, socorroooo,kkkk Parabéns pela matéria.Abraços.Jackie

  13. graça oliveira 16 de janeiro de 2012 at 12:59 #

    Adorei o artigo,tinha dúvidas sobre tudo isso.Agora sei que a melhor maneira é focar sobre o trabalho que você se identifica mais e procurar se especializar para que seu trabalho dentre tantos outros que estão por aí se destaque bem.

  14. Dilce A, Santos 10 de janeiro de 2012 at 18:57 #

    Olá Bruno, vc tem razão tem que focar e se aprimorar. Amo artesanato, pra mim é uma terapia, fui aprendendo um pouco de cada coisa sozinha, aprendendo as técnicas pela internet. Pra mim uso o artesanato como forma de relaxar, já que trabalho com informática e é muito estressante, pois lidar com público não é mole. Ser artesão é bom pq vc cria e se alguém gostar e quiser comprar legal, se não legal tb, bem isso pra quem não depende dele pra sobreviver, se não tem que correr atras pra ser melhor que o concorrente e ganhar um din din é muito bom. Abraço

  15. Ayana 9 de janeiro de 2012 at 20:07 #

    Você tem razão, vou vê se consigo fazer um experiencia com o que tenho e se gostar ai sim vou investir. Meu carro chefe são as bolsas carteiras que eu faço e vende super bem.
    Obrigada pelas dicas…

    Agora se eu gostar dos sabonetes como faço para legalizar quando abrir minha loja? porque andei pesquisando na net e achei meio confuso, porque tinha falando até em químico para se responsabilizar pela composição.

    Se poder me ajudar mais uma vez fico muito feliz… Obrigada mais uma vez.

    • Cris Turek 9 de janeiro de 2012 at 22:07 #

      Ayana, até onde sei os sabonetes deve ter especificados no rótulo a sua composição e a data de validade, assim como doces e pães da padaria. Cosméticos artesanais não precisam de responsável químico, mas o seu nome e contato devem constar da embalagem. Para melhores informações procure o Sebrae.

  16. Ayana 6 de janeiro de 2012 at 18:31 #

    Oi Bruno, tudo bem?!
    Então, eu amo o artesanato com tecido, vi alguns videos do Peter Paiva e me apaixonei também pelos sabonetes artesanais… E agora o que eu faço?! Ainda não fiz nenhum sabonete, mas pretendo comprar o fogão elétrico esse mês para começar. Estou viciada nos videos do PP, hehehe. Também pretendo abrir uma loja esse ano, é só questão de achar um ponto. Não tenho parceria e não quero ficar com uma técnica só porque moro em cidade pequena, tenho sempre que inovar. O que você acha?

    • Cris Turek 7 de janeiro de 2012 at 22:08 #

      Ayana, antes de fazer grandes investimentos em ferramentas para uma nova técnica seria bom fazer uma experiência antes pra evitar criar expectativas que não se realizam. Mas se realmente for o que espera, tente mesclar as duas técnicas pra criar um produto único e exclusivo que seria o seu carro chefe na nova loja. Isso sim poderia ser algo bem interessante e o diferencial em seu negócio.

  17. Bruno José Santos 16 de dezembro de 2011 at 14:53 #

    Todos os comentários respondidos até aqui. Obrigado por todas as mensagens, desde os agradecimentos até os grandes relatos, dicas e opiniões.

    Se você achou que deixei seu comentário sem resposta ou gostaria de apronfudar alguma parte do texto, fique a vontade para entrar em meu site ou enviar um email para mim.

    Ja vou começar a conversar com a Cris para vermos um tema bem legal para a próxima coluna.

    Um grande abraço para todos!!

  18. Bruno José Santos 16 de dezembro de 2011 at 14:44 #

    Rechilde,

    Irei abordar mais sobre canais de vendas na internet em artigos futuros. Conto com sua companhia em minhas colunas.

    Abraço

  19. Parísina Éris Ilíade Tameirão Ribeiro 16 de dezembro de 2011 at 10:43 #

    a materia é bem legal e pelo menos faz o artesão leitor pensar, se questionar…

    dentro da ADM sabemos que se não focar fica muito dificil embroa dependendo do artesão sabemos que tbem é dificil sobreviver muitas dezes com uma coisa só.

    mas, defendo que temso que focar, exceto que é professor mesm oque foque que irá dar aual por exemplo de Patch mas ele precisa saber outras tecncas para que as peças fiquem mais ricas e os detalhes com outras tecncias façam a diferença.

    esta é minah opiniao.

    abço e bom findi,

    Parísina Tameirão Ribeiro

  20. edneia silvadesouza 16 de dezembro de 2011 at 10:41 #

    de muito valor esse assunto, e de muito proveito; tem que se bem explorado para que possamos apreender
    a valorizar melhor o produto artesanal!

  21. elena-guimaraes 15 de dezembro de 2011 at 20:02 #

    Vivo esse dilema!!não consigo fazer uma coisa só.Preciso me encontrar!?

  22. Mariane 15 de dezembro de 2011 at 19:55 #

    Oi Bruno,

    Mto legal, obrigada, espero poder inspirar alguém!

    Abç

  23. Bruno José Santos 15 de dezembro de 2011 at 17:58 #

    Mariane,

    Obrigado por compatilhar sua experiência. Acho bem legal sua dica e apesar do caminho ter sido longo (como vc relatou) você conseguiu focar e viu que esse é realmente o caminho a seguir.

    Abraço

  24. Bruno José Santos 15 de dezembro de 2011 at 17:56 #

    Cláudia Ramires,

    Que prazer ter sua companhia em minha coluna. Envie o link de suas colunas para que eu possa ler e te acompanhar, será um prazer. Este é o meu primeiro texto na internet, estou muito feliz com o resultado e tenho muito o que aprender.

    Concordo com vc, pra valorizar tem pouca gente, mas pra depreciar, fazer trabalhos de qualidade duvidosa e, por consequência, prejudicar uma classe toda, tem bastante gente.

    Abraço

  25. Bruno José Santos 15 de dezembro de 2011 at 17:53 #

    Zanine,

    Não tem muito segredo nesta questão de fornecedores. A internet está ai e hoje se acha quase tudo por ela.

    O principal que vc tem que pensar é que existe um fornecedor para cada fase em que o artesão se encontra.

    No inicio vc deve procurar lojas ou sites para comprar. Quando atingir um bom nível, tentar atacados e distribuidoras. Chegando ao nível de loja, pode procurar diretamente as industrias.

    Abraço

  26. Bruno José Santos 15 de dezembro de 2011 at 17:48 #

    Mara Rocha,

    Irei escreve dicas sobre como agregar valor a suas peças. Conto com sua companhia e minhas colunas e seus comentários, críticas e sugestões sempre.

    Abraço

  27. Bruno José Santos 15 de dezembro de 2011 at 17:45 #

    Edna Pereira,

    Não tenho como te indicar qual técnica é mais legal para vc. Busque suas afinidades, suas paixões e coloque-as no papel. Depois dê uma olhada no mercado e na internet para ver dentre os ítens listados, qual tem maior potencial.

    Culinária normalmente é sob encomenda. Acho que vc poderia estruturar um canal para vender a culinária (site, blog, folders, cartões, etc) e ir fazendo sue artesanato. Mas vc deve ter em mente bem definido qual delas vc irá desenvolver para ser sua ocupação principal e ir focando aos poucos até conseguir descontinuar uma delas.

  28. Bruno José Santos 15 de dezembro de 2011 at 17:41 #

    Rosemeire Felix,

    Realmente sua limitação te dificulta em sair vendendo seu produto de porta em porta ou em muitos locais diferentes. Tente concentrar suas vendas em um ou dois locais.

    Vc disse que consegue vender em reuniões familiares, por que não fazer reuniões maiores, convidar mais pessoas, convidar as amigas de suas amigas para virem em seus bazares?

    Sei que existem revendedoras de catálogo que fazem desta forma (Se não estou enganado a Mary Kay e a Tupperware treinam suas revendedoras para organizarem eventos assim). Talvez vc poderia fazer parcerias com essas revendedoras e montar mini bazares, com produtos focados para mulheres (cosmético, bijoux, utilidades domésticas, artesanato e lingerie por exemplo).

    São só sugestões, vc tem potencial para criar suas ideias ai, acredite no seu potencial.

    Abraço

  29. Bruno José Santos 15 de dezembro de 2011 at 17:35 #

    Masristela Lopes,

    Um só produto seria complicado, bem como um mix de produtos muito grande seria caro e difícil de administrar.

    Encontre um mix legal de produto, com afinidade entre si, para que os clientes sintam-se motivados a comprar mais do que um produto, entendendo que eles se completam.

    Faça pesquisas em sua região, converse com conhecidos (não amigos e parentes, eles tendem a torcer por nosso negócio e nos supervalorizar). Vc descobrirá que caminho seguir.

    Sempre que desejar envie um email pra mim, será um prazer ajudar.

  30. Bruno José Santos 15 de dezembro de 2011 at 17:31 #

    Janaina Beserra,

    Eu acho fantástico se vc conseguir juntar a pintura em madeira com biscuit, vc conseguirá um bom diferencial.

    Um Abraço

  31. Bruno José Santos 15 de dezembro de 2011 at 17:30 #

    Joelma,

    Vc não precisa fazer sempre o mesmo artesanato, mas deve ter um foco, que pode ser inovar sempre, criar sempre coisas novas. Desta forma você poderá ser reconhecida como uma artesão criativa.

    Sobre abrir uma loja ou deixar em lojas para vender, as 2 coisas funcionam, basta estudar bem e ver qual caminho a seguir. Montar uma loja, obviamente, exige mais dinheiro e vc precisará além de criar, cuidar da loja.

    Obrigado por seu comentário!

    Abraço

  32. Renata Bulhoes 15 de dezembro de 2011 at 15:03 #

    Gente,

    to impressionada com a força do pensamento, e do senso coletivo… Eu tava pensando justamente nisso, e pesquinsando na net outras coisas, cai aqui nessa dica!!! Pronto, achei minha meta pra 2012…
    Valeu!!!!

  33. Veronice Silva 14 de dezembro de 2011 at 20:01 #

    Muito bom saber dessa grande dica. Ainda mais pra quem ainda está tentando entrar nesse mercado. Na verdade, hoje, o que se vê por todas as partes é a beleza e o bem feito.É o que faz a grande diferença. Um abraço e obrigada.

  34. Regina Blue 14 de dezembro de 2011 at 10:52 #

    Obrigada pelas dicas, me serâo muito úteis,
    adoro o trabalho de vocês
    um grande abraço

  35. Elisabete Kunzler Saldanha Leal 14 de dezembro de 2011 at 10:52 #

    Como é bom acordar e ler um e-mail com dicas tão preciosas,pois eu classifico-me entre os que tem uma gama de idéias e acabo não me sentindo feliz em executar esse ou aquele o que faz com que não me sinta feliz em executar trabalhos artesanais que tanto amo, e com isso muitas vezes sinto-me até frustrada
    Agradeço as informações e hoje mesmo vou tentar concentrar-me e focar realmente o que mais me deixa feliz e especializar-me para assim oferecer com qualidade e mostrar a beleza do artesanato.Obrigada mais uma vez pela dica.

  36. Margareth da Glória Alver 14 de dezembro de 2011 at 6:31 #

    Eu concordo c/ o Bruno. No início, quando decidi ser artesã, fiquei meia que perdida, sem saber o que fazer, e dentro das minhas possibilidades, comecei aprender um pouquinho de tudo que está relacionado com tecido. Agora, estou focandoem um objetivo, pois vi que várias coisas ao mesmo tempo, ñ dá pra se ter noção do quanto é o custo da matéria prima, as despesas fixas e o lucro, porque é variável o material e no fundo, acabamos ñ cobrando o preço justo para que se tenha lucro, e estamos sempre achando que nosso trabalho ñ é valorizado e começamos a ñ dar valor a ele tbm. Valeu Bruno, continue nos orientando. Bjs pra vc e pra Cris.

  37. Rosa 13 de dezembro de 2011 at 20:59 #

    Gostei muito do artigo. Realmente o artesão precisa avaliar seus objetivos. Tem artesão que só fica na espreita para ver o que está vendendo para fazer tudo igual. Não se preocupa com projetos. Muitos estão “maquinofaturando” o artesanato.

  38. marta maria b. cavalcanti 13 de dezembro de 2011 at 0:18 #

    Concordo com o Bruno, é preciso focar em um só trabalho, é aí que eu preciso me aperfeiçoar, pois eu faço N cursos e no final não trabalho com nada pois é preciso aprimorar o que se aprende para pegar a prática então os resultados aparecem.

  39. Grace 12 de dezembro de 2011 at 20:23 #

    Meu querido, parabéns pela iniciativa de orientar esse mar de artesões que faz de tudo um pouco. Mas a sobrevivencia no artesanato ainda é precaria pois nem sempre é valorizado e por ser simplesmente artesanato tem que ser baratinho e ainda mais com a China fazendo a concorrencia .
    Um grande abraço e sucesso a você e a todas as coleguinhas.
    Grace

  40. Rechilde 12 de dezembro de 2011 at 20:16 #

    Oi Bruno,tudo o que você disse eu acho certo, mas como muitos outros artesãos eu também faço de tudo um pouco, apesar amar fazer arte francesa e pintar caixas, eu acho que tem tudo a ver só que não consigo fazer só estas duas coisas, razão pela qual tenho três
    estantes cheias de peças variadas.Outra coisa gostaria de alguma dica em relação a vendas,meu filho tentou fazer um blog mas eu acho que não esta atingindo o publico o que fazer? Tem alguma idéia? Abraços Rech

  41. Waneyda 12 de dezembro de 2011 at 19:13 #

    Gostei muito do artigo e já pensava que deveria focar , pois só assim terei o diferencial do meu trabalho. Faço de tudo um pouquinho e tudo me encanta e por isso terei terei dificuldade em identificar em que focarei. O importante é que não desistirei. Grata,
    Waneyda Frazão

  42. Bruno José Santos 12 de dezembro de 2011 at 16:29 #

    Pessoal,

    Só posso agradecer por todas as mensagens, a repercussão foi muito positiva e acima do esperado.

    Àqueles que enviaram mensagens de incentivo ou agradecimento, sintam-se abraçados!

    Aos que fizeram perguntas, tentarei responder a todos ainda esta semana. Recebi muitos emails e ja estou respondendo.

    E por fim, muitos acabram sugerindo com sua dúvidas alguns temas para colunas futuras, ainda não decidi com a Cris a periodicidade dos meus textos, mas irei escrever sobre os temas sugeridos com certeza.

    Um Grande Abraço!

  43. Mariane 12 de dezembro de 2011 at 14:29 #

    Olá, adorei a dica, mas acho que para focar primeiro é preciso diversificar.

    Minha experiência foi assim, a lojinha “aconteceu” depois de diversificar os produtos e as multiplicar as técnicas, hoje trabalho com feltro e tecido.

    As peças feitas são feitas sob encomenda, as clientes vêem que o trabalho é variado, pedem ideias ou já vem com algo ponto na cabeça pedem muitas vezes mais de uma peça numa mesma compra.

    Os prós:

    – faço a venda casada

    – não tenho peças no estoque

    – o preço é diferente de peças a pronta entrega

    – o trabalho é único, seja no modelo, nas cores ou na personalização da peça com nome

    Os contras:

    – leva tempo para acertar os detalhes

    – leva mais tempo ainda para dominar as técnicas.

    Para mim essa é a receita do sucesso, que apesar de demorado é certeiro!

    Abç

    Mariane

  44. Cláudia Ramires 12 de dezembro de 2011 at 13:39 #

    Olá, Bruno, além de artesã, tb escrevo para uma coluna de artesanato. E normalmente, pesquiso técnicas novas e faço entrevistas com artesãos, e percebo muitos pontos que vc citou. Concordo que temos que focar, e em cima disso, procurar diferenciar. Pois temos diversos artesãos fazendo as mesmas coisas. A internet não esconde mais, estão colocando aulas gratuitas virtuais, se tem qualidade é outro assunto. Mas acaba de um certa forma desvalorizando a mão-de-obra dos artesãos. Abs

  45. Valdiria De Lourdes Escoba da Silva 12 de dezembro de 2011 at 12:32 #

    Sei que tudo isto é verdade, mas como você mesmo fala o dificil é começar, mas vou acompanhar vcs e espero poder chegar ao ponto, obrigada por esclarecer e ficar a disposição para meu crescimento.

  46. NziNitiren 12 de dezembro de 2011 at 11:32 #

    Gostei muti o que foi dito Parabéns: Muita Boa SORTE e SUCESSO.para TODOS. BJS

  47. claudia machado 12 de dezembro de 2011 at 11:00 #

    é bom a gente ter orientação de quem entende do assunto .eu sei fazer meu trabalhomas não sei fazer negócios.estou aguardando mais dicas com curiosidade.muito obrigado.um abraço

  48. Carla Cristina Donner 12 de dezembro de 2011 at 10:45 #

    Olá Bruno.
    Seu artigo, embora curto foi bastante enfático numa realidade que os artesão vivem hoje. Fazer de tudo um, e ao mesmo tempo com pouca qualidade. Eu faço apenas uma coisas e sei que consego investir mais pois minhas opões se limitam a um só negócio; tecido.
    Você poderia dar mais orientações sobre gerenciamento de negócios, seria bem interessante para nós artesãos.Abraços

  49. Lúcia de Oliveira 12 de dezembro de 2011 at 10:19 #

    Bom Dia, esse assunto veio na hora certa pra mim. Tenho muita vontade de trabalhar com artesanato e ganhar uma renda extra, gosto de fazer muitas coisas variadas. Agoro reciclagem e pesquiso muito na internet. Gostaria de saber se existe algum curso que eu posso fazer para me aperfeiçoar nisto.

    Um abraço

  50. zanine 12 de dezembro de 2011 at 8:09 #

    Bom dia!Bruno quero agradeser pela oportunidade.Gostaria que vc me dese dicas de a onde eu possa,comprar materia prima direto dos fornecedores,e nao de lojas.Trabalho com sabonete embarra e sabonete liquido,aromatizante e creme hidratante,cisa de banho.Nao sei como consequir fornesedores,Bruno se vc poder me ajudar lhe agradeço muito.Zanine

  51. Nilza Toledo 11 de dezembro de 2011 at 22:39 #

    Boa tarde!quero parabenizar pela iniciativa em que Bruno fala sobre artesanato em focar ou diversificar.Adorei..será de grande valia para muitas pessoa,,abçs artesanais..

  52. MARIA APARECIDA S CAMARGO 11 de dezembro de 2011 at 22:30 #

    adorei esta materia pois tenho dificuldade em me organizar,pois faço varias coisas ao mesmo tempo,gostaria de ter mais dicas como esta para poder crescer em meu negocio pois gosto muito de fazer tapetes de barbantemas não sei como começar o meu negocio pois o meu marido não me ajuda muito neste caso acha que nunca vai dar certo, acha que este tipo de trabalho é só um passa tempo ,mas eu gostaria de transformar em uma atividade lucrativa pra mim,mas não sei calcular o preço nem sei por onde começar.me ajudem por favor.

  53. Carla Maria de Brito Filgueiras D Amorim 11 de dezembro de 2011 at 21:51 #

    Olá Bruno. Gostei muito da sua matéria “Focar ou diversificar as atividades?”. Concordo com seu ponto de vista pois sei que o aperfeiçoamento vem com a prática e não se pode ou mesmo se deve praticar atividades diversas simultaneamente. Ficará quase tudo ou mesmo tudo a caminhar a passos lentos. Isso não trará aperfeiçoamento. Ouso apenas acrescentar que se se quer trabalhar com mais de uma atividade que se tente fazer em um mesmo trabalho. Se possível é claro. Daí poderá até estar inovando alguma atividade. Atenciosamente, carla, uma aprendiz que ama artesanato. BJ

  54. Aparecida Jesuani Souza 11 de dezembro de 2011 at 20:45 #

    Olá
    Quero parabeniza-los pelas dicas enviadas e pela brilhante matéria do Bruno José. Na maioria das vezes nós artístas/artesãos ficamos perdidos diante várias possibilidades que nos cercam. Gostaria de receber mais matérias.
    Atenciosamente,
    Josi

  55. maribel pereira 11 de dezembro de 2011 at 20:44 #

    Me gusto la ayuda que Bruno ofrece a los artesanos…Creo que tambien ire necesitar.

    Maribel

  56. Adri 11 de dezembro de 2011 at 20:43 #

    Gostei muito desta postagem!
    Afinal de contas, já que escolhemos trabalhar com artes e artesanato, precisamos também ganhar bem e sermos valorizados como qualquer outra profissão, se esse é o nosso dom.

    abraço,
    Adriane

  57. Cidália Corrêa Agulhó 11 de dezembro de 2011 at 20:42 #

    Realmente bastante interessante esse artigo. Eu já havia pensado nisso, em focar…. mas a ansiedade em fazer de tudo q a gente encontra de material no mercado, novidades ou até mesmo reciclagens, acabamos por fazer milhares de coisas ao mesmo tempo. Aliás, no meu caso gasto muito com materiais, porque tudo que vejo quero comprar… O autor tem razão quando diz sobre pesquisar, analisar, etc … Vou pensar a respeito deixando de lado primeiramente a ansiedade e depois seguir a idéia.

    Beijocas

  58. Monica Leão 11 de dezembro de 2011 at 20:41 #

    Oi Bruno, exatamente isso acontece comigo. Sempre falei pras minhas alunas, pra escolherem um trabalho ou uma técnica e se aperfeiçoarem nela, pular de galho em galho, fazendo tudo quanto é curso que aparece, não deixa ninguém especialista em nada. Mas no meu caso, a sobrevivência tambem falou mais alto, e eu acabei fazendo menos o que faço melhor, pra não ter que abrir mão do dinheirinho certo no final do mes. Dinheiro acaba sendo o pior problema. E o tempo nas cidades grandes, o trânsito, o corre-corre do dia-a-dia, vão diminuindo cada vez mais as chances de se reverter a situação. Mas o seu texto foi bem oportuno, as pessoas mais jovens devem tentar mudar o quanto antes, às vezes é preciso se arriscar um pouco, no meu caso, acho difícil, pois já estou muito comprometida com o cotidiano. Abraços,
    Mônica Leão

  59. marize cardoso 11 de dezembro de 2011 at 20:40 #

    OI queridos da viladoartesão,concordo com o Bruno, que focando o que fazemos
    Temos mais oportunidade de ficar melhor no que fazemos, e reconhecidos também!
    Trabalhei com frutas de cêra por 9 anos, na feira de artesanato do CAMPO DE SÃO BENTO, EM ICARAÍ, NITERÓI RJ,
    Após sair, nunca mais ninguém ocupou meu lugar, de tão real que era.NB, trabalho com modelo vivo.
    Parabéns pelo site, obrigada pela oportunidade!

  60. Fatima Rufino Cordeiro 11 de dezembro de 2011 at 20:39 #

    Muito interessante e oportuno este artigo.

    Veio bem de encontro à minha experiência com artesanato.

    Sou apaixonada pelo assunto e tudo o que vejo, todas as técnicas me encantam. Então tento aprender o maior número delas possível. rsrsrs.

    Trabalho fora e em todo tempo livre que tenho, estou envolvida com artesanato. Faço biscuit, decoupage, reciclagem, arrisco alguma coisinha no patch…
    E é claro que fica um monte de coisa pelo caminho, perco material (tintas e colas que ressecam…) etc.

    Bem, como disse no início da mensagem, este assunto veio bem a calhar, pois já estava pensando mesmo em escolher uma técnica em especial na qual focar.
    Vou aproveitar o clima de virada que chega junto com o novo ano e decidir qual será o meu foco nesta área que amo tanto e me completa!

    Parabéns à Cris e sua equipe do Vila por mais esta iniciativa maravilhosa em favor dos artesãos!

    Abraços,
    Fátima Rufino Cordeiro

  61. Mara Rocha 11 de dezembro de 2011 at 20:37 #

    Gostei muito das dicas.Concordo, em tudo temos que fazer a diferença como artesões.
    Cada artesão tem que ter algo que diferencia a sua peça das demais.Acho dificil, é cobrar o preço justo da peça e cobrar
    as pessoas..Pois tem algumas que são dificies de pagar.. Mas faz parte…Ou tem alguma dica?
    Obrigada! Muito obrigada.Mara

  62. Andreia Frezarim 11 de dezembro de 2011 at 20:11 #

    Olá Cris!!!
    Matéria muito boa.Também faço varias coisas,mais vou pensar melhor agora,analisar o que sempre os clientes querem mais e me aperfeiçoar mais.Bjins

  63. Ana Paula 11 de dezembro de 2011 at 19:46 #

    Boa noite Bruno,
    Estou me organizando para 2012,e também estava com este dilema, pois gosto de fazer várias coisas. Vou acompanhar seus artigos para resolver o que devo focar.
    Obrigado.
    Ana Paula.

  64. Cristiane Pedrosa 11 de dezembro de 2011 at 19:43 #

    Interessante sua visão sobre este assunto, tenho pensado bastante nisso. O que vc acha qdo o artesão diversifica em técnicas mas consegue manter um bom foco no público alvo? Acho que foi uma boa introdução e esse assunto ainda ‘dá pano pra manga’. Beijos… vou aguardar a próxima postagem.

  65. Filipa Silva 11 de dezembro de 2011 at 17:40 #

    Achei o artigo muito bom!

    A minha paixão são os bilros e sei que sou boa no que faço que modernizei a maneira de ver as rendas, no entanto tenho muitas valências e não quis perder nenhuma por isso optei por juntar tudo e focar nas crianças e bebés

    Ainda estou muito no inicio mas vou devagarinho

  66. Valeria Lemos 11 de dezembro de 2011 at 16:50 #

    Estou exatamente neste momento, “tentando focar” não é fácil mesmo; mas estou indo devagar e aos poucos e pretendo chegar lá.
    Vou ficar de olho em suas dicas Bruno!!!

  67. Antonio Carlos 11 de dezembro de 2011 at 14:33 #

    As vezes perco um bom tempo (desde fornecedores de matéria prima até embalagens)tentando atender pedidos que posso fazer mas que não fazem parte da linha que me propus a seguir.
    Já percebi que, ajudam a pagar as contas mas me impedem de crescer, e já perdi três grandes oportunidades de negocio por não dedicar mais tempo e recursos de produção, a produtos que tem um potencial maior de vendas e nos quais eu tenha mais controle dos processos de criação,produção e vendas.
    Estou me preparando para ter um foco.

  68. Veronica Kraemer 11 de dezembro de 2011 at 14:24 #

    Cris querida, adorei este artigo!
    Achei muito válidas as informações e concordo com todas elas.
    Creio que a melhor forma de nos aprfeiçoarmos seja fazer o que amamos, pesquisar, agregar valor e divulgar.
    Obrigada!!!
    Beijossssssss
    Vero

  69. Marina 11 de dezembro de 2011 at 14:10 #

    Boa tarde Bruno, sua dica foi muito interessante , e essencial no momento que estou vivendo profissionalmente como artesã, pois exerço varias atividades e gosto de todas elas e eu ainda não havia parado para analisar o que realmente mais gosto e no que realmente devo investir meu tempo e dedicação .
    Muito boa a materia
    obrigada
    Marina Faundez

  70. Adriana 11 de dezembro de 2011 at 13:55 #

    Olá Bruno, muito boa sua colocação, tenho pensado muito em diversificar menos, pois acabo gastando muito tempo tempo tendo que ir em dezenas de fornecedores às vezes para atender a 2 ou 3 pedidos e no próximo ano vou focar meus produtos num segmento pois assim consigo atender com menos pressa e maior qualidade meus clientes. Valeu pela dica!

  71. Edna Pereira 11 de dezembro de 2011 at 12:25 #

    Boa tarde pessoal,oi Bruno td bem? Achei fantástico este espaco, mais to com um probleminha,amo de loucura culinaria e artesanato, eu ate estava fazendo os dois pra ajudar-me no orçamento,mais derepente mha casa foi roubada 4 x então desistí.Agora quero voltar a fazer td denovo,preciso saber cm começar e com o que começar. No artesanato com o que e por onde posso começar? Em que posso estar focando e me diversificando sem correr risco? Sov grata desde ja pela alto-ajuda. BJO Edna

  72. katia 11 de dezembro de 2011 at 11:59 #

    antigamente eu fazia de tudo! hoje, focada em apenas moveis , a empresa cresceu, melhorou .
    muito legal este artigo!!!

    obrigada

  73. Luciana 11 de dezembro de 2011 at 11:29 #

    adorei o artigo. Trabalho em parceria com minha irmâ e já estávamos pensando nisso. observando as “concorrentes” vimos que elas tem produtos principais que são vendidos nas feiras e também produtos que são feitos somente por encomenda.abraços e obrigado
    Luciana

  74. Ana Kroetz 11 de dezembro de 2011 at 11:27 #

    Olá!
    Esse artigo veio de encomenda para mim…
    Estou exatamente na esquina, entre focar num produto, entre os inúmeros que faço, ou dar aulas de costura…A idéia é antiga, pois onde vou e mostro o que faço, a pergunta é sempre a mesma: Vc dá aulas? Vc ensina?
    Para 2012, quero definir novos rumos e pretendo pesquisar muito antes de tomar uma decisão, então acompanharei com muito carinho os artigos, que tenho certeza irão ajudar!
    Obrigada…
    Ana Kroetz

  75. Rosemeire Felix 11 de dezembro de 2011 at 11:23 #

    Oi Bruno!!!!!!!!!!!!!
    Acho que vc tem razão no que fala, mas no meu caso é diferente, vou te explicar e vc vê se pode me orientar!!!!!
    Bem, faço artesanato há mais de 10 anos, eu acho, tenho uma instante aqui em casa cheia de coisas que fiz principalmente de MDF, tenho muita coisa guardada para fazer ainda, acontece que, aí vai…rsrsrsrs
    Sou deficiente física e tenho minhas limitações, por isso, meu problema maior e vender as coisas que faço, não vou mentir, as vezes em alguma reunião de familia, consigo vender umas mizeras peças, não tenho ninguém que possa vender os meus produtos para mim!!!!!!!!
    Vc poderia me orientar nessa questão?

    Desde já agradeço.

    Atenciosamente

    Rose

  76. Rosa Maria 11 de dezembro de 2011 at 11:09 #

    Olá, Bruno!

    Adorei o artigo!

    Rosa Maria

  77. maristela lopes 11 de dezembro de 2011 at 10:47 #

    Oi, Bruno, gostaria de montar uma loja com meus artesanatos, tenho um bom espaço em casa, mas tenho duvida se devo fazer de tudo um pouco ou somente um item, como me diferenciar…

  78. Valquiria 11 de dezembro de 2011 at 10:03 #

    Parabéns Bruno. Muito oportuna e bem colocada sua questão. Faço patchwork; descobri agora o potencial de criatividade desta “arte”. Meu trabalho sempre foi intelectual – que ainda gosto demais – mas sabermos observar bem os “mestres”, conseguiremos melhorar muito! Para tanto, precisamos de pessoas como você!
    Muito obrigada,

  79. Selma 11 de dezembro de 2011 at 8:38 #

    Realmente….acho que essa duvida é da maioria dos artesãos…
    Tenho pensado muito nisso, pois amo pintar seda, mas infelizmente, artesanato também tem moda…. e seda pintada, por melhor que seja o trabalho, realmente não está “em alta”, então, estou conseguindo agregar valor com apliquee…. mas eu nao gosto de costurar!!!Que dilema!!!
    O prazer, ou o dindin??? ó duvida cruel!!!!

  80. Pimentel 11 de dezembro de 2011 at 8:14 #

    Derrepente deu uma balançada na minha cabeça, este artigo. Trabalho com peças para carros antigos, algumas eu restauro para vender. Mas sempre pensando em focar em uma linha de produtos e acho que o Bruno ja começou a me ajudar pois é que penso para 2012. Excelente o artigo. Muito obrigado e um abraço do Pimentelv8…

  81. Rachel Romeiro Sabanai 11 de dezembro de 2011 at 7:32 #

    Muito ,muito bom o artigo. Vou aguardar os outros artigos com ansiedade. Obrigada.

  82. Rosemeire R Lima 11 de dezembro de 2011 at 6:49 #

    Bruno,esta é uma questão que me incomoda bastante. Gosto de muitas coisas, mas sei que preciso descobrir aquela que me trará uma renda e me focar nela, e talvez eu possa fazer um pouquinho de outras considerando como um prazer e não fonte de renda, um negócio. O difícil para mim ainda é a disciplina do tempo de cada atividade, mas ainda estou descobrindo o artesanato e creio que no começo tudo nos encanta!
    Acredito que seus artigos me ajudarão bastante, obrigada.

  83. Alana 11 de dezembro de 2011 at 6:26 #

    Agradeço essa reflexão. Concordo com ela. Na verdade, é assim que trabalho, apenas com tecido.

  84. Bruno José Santos 10 de dezembro de 2011 at 21:12 #

    Erica,

    Se vc ama pintura, ama crochê e ama reciclagem, que tal juntar tudo? Não sei se é possível, mas seria algo feito com o seu coração e bem exclusivo.

    Se é possível ou não só você poderá verificar. O espírito é esse, não existe uma fórmula pronta, quanto mais você entender suas potencialidades, maior será sua chance de sucesso.

    Obrigado por seu comentário, espero ter ajudado.

    Grande Abraço.

  85. Janaina Beserra 10 de dezembro de 2011 at 20:43 #

    Muito bom o artigo.Já vi comentários parecidos em focar em uma atividade só.Mas amo fazer todos os tipos de artesanato…Mas o meu forte é biscuit e pintura em madeira e já pensei para o ano que vem me aperfeiçoar apenas nas duas técnicas,e juntar as duas.Que tal?
    Abraços,
    Janaina

  86. Joelma 10 de dezembro de 2011 at 20:28 #

    OI Bruno!!! Atualmente trabalho em um banco, e viver do artesanato é minha meta para 2012, ocorre que tenho tido dificuldade em identificar o caminho a seguir, uma das dúvidas é a questão de fazer varias coisas ou uma só,pois tenho gana em aprender coisas novas e me sinto frustrada quando fico fazendo a mesma coisa por muito tempo. Outra dúvida é se deveria abrir uma loja ou vender através de consignação e indicações.

  87. Elizabeth 10 de dezembro de 2011 at 19:22 #

    Adorei o artigo. estava exatamente pensando em diversificar minhas atividades, mas lendo o arquivo acho que o Bruno tem toda razão.
    Elizabeth.

  88. Vera Lúcia 10 de dezembro de 2011 at 18:52 #

    Boa noite, Bruno. Esse é meu dilema para 2012. Focar em só negócio ou continuar em vários como faço. Creio que seus artigos irão me ajudar e muito a tomar essa decisão e ver o melhor caminho a seguir.
    Vera Lúcia

  89. Alessandra 10 de dezembro de 2011 at 18:45 #

    Muito bom, adorei o artigo

  90. Erica Posanske 10 de dezembro de 2011 at 18:32 #

    Sabe que o Bruno tem razão? Eu faço de tudo um pouco, e amo tudo o que faço. Mas prefiro a pintura em tecido e o crochê, e já percebi que se eu trabalhar só com isso, acabo fazendo cada vez melhor! Mas como abandono o resto, se adoro trabalhar com reciclagem também?
    Abraços

Deixe uma resposta